Como aproveitar a 1:1 mesmo em Home Office

As reuniões one-on-one, também chamadas de 1:1, são encontros periódicos entre líder e liderado. A conversa pode ser guiada por assuntos sobre a empresa e sobre a função do liderado ou ter um tom mais inspiracional. O importante é que o alinhamento aconteça de forma sincera e constante. 

Mesmo quando a empresa aposta no trabalho remoto, esta é uma prática de gestão que deve ser mantida. Assim, líder e liderado conseguem manter um alinhamento, além de não perderem a proximidade e o espírito de time. Em tempos de home office, a 1:1 ajuda ainda a manter o foco e a motivação do colaborador.

Entre os benefícios das 1:1 estão:

  • Fluxo de informação down-up: ou seja, os colaboradores trazem para o gestor as conquistas e desafios de suas funções. Dessa forma, o líder consegue ter claro o cenário de operações de sua equipe, podendo atuar de forma incisiva em um problema antes que este se torne grande e reconhecendo as ações diárias de seus liderados. Esse fluxo minimiza as “fofocas” e prioriza o encaminhamento correto das informações. 
  • Motivação dos colaboradores: ao serem ouvidos, os liderados podem compartilhar suas angústias e conquistas com os líderes, tendo maior abertura para celebrações e/ou conversas inspiracionais. As one-on-one podem funcionar também como uma sessão de “coach”, onde o líder ajuda no direcionamento de carreira do colaborador.
  • Confiança: a conversa cria uma proximidade e uma relação de confiança entre o líder e o liderado, melhorando assim o relacionamento entre os dois, o que impulsiona o trabalho conjunto – seja pessoalmente ou de forma remota.

 

Guia prático da one-on-one

Quer levar esses benefícios para a sua empresa mas não sabe nem por onde começar? Não se preocupe, separamos um guia de como planejar e executar a 1:1 da forma mais efetiva possível, confira:

 

Quem participa? 

Líder e liderado, somente. 

 

Qual a periodicidade? 

O ideal é que seja frequente, não mantendo um espaçamento maior do que 15 dias. Então, pode-se optar por reuniões semanais ou quinzenais. Essa frequência faz com que nenhum detalhe seja esquecido, podendo a informação fluir de forma quase que instantânea. Ao mesmo tempo, dessa forma o líder consegue acompanhar de perto a evolução do colaborador, orientar e atuar na resolução de problemas antes que eles progridam. 

 

Quanto tempo deve durar?

A ideia aqui é que seja uma conversa rápida, para também não atrapalhar o fluxo de trabalho. As one-on-one podem durar de 15 minutos a 30 minutos, dependendo do assunto abordado, quantidade de pontos a alinhar, etc. Sabe aquela história de reunião em pé? É quase isso, ela precisa ser rápida para ser objetiva, mas o líder precisa ter a sensibilidade de entender quando o colaborador precisa de um pouco mais de atenção. 

 

O que abordar?

No início, o líder irá comandar a reunião. O ideal é que 80% do tempo seja destinado a entender como o colaborador se sente perante a seus desafios e conquistas profissionais e 20% sobre questões da empresa. Quando a prática se tornar um hábito, provavelmente o colaborador já virá com os pontos que quer abordar na reunião, tornando-a mais dinâmica. 

 

One-on-one como ferramenta para o trabalho remoto

Quando na empresa, as reuniões podem ser feitas em salas específicas, onde ninguém atrapalhe o fluxo da conversa. Mas nada impede que as 1:1 aconteçam quando os colaboradores estiverem em home office. Qualquer ferramenta de call pode mediar uma one-on-one, que seguirá seu fluxo corriqueiro, como explicado anteriormente. 

Durante o trabalho remoto, inclusive, é importante que as one-on-one sejam mais frequentes, a fim de alinhar as expectativas do líder quanto às entregas, entender quais os desafios do colaborador, manter o engajamento e espírito de time. Os líderes ainda podem dar dicas de como os colaboradores podem aproveitar melhor o trabalho remoto, sem perder a produtividade.

 

E na sua empresa, pessoalmente ou de forma remota, já existem reuniões frequentes? Conte para gente.