Três erros mais comuns ao trabalhar com OKR

Três erros mais comuns ao trabalhar com OKR

De acordo com um estudo realizado pela Leadership IQ , que ouviu 400 empresas, apenas 15% dos colaboradores realmente acreditam que suas funções contribuem diretamente para alcançar os objetivos das companhias. Em outras palavras, isso quer dizer que 85% de quem trabalha nestas organizações têm o potencial de estar desmotivado e infeliz nos seus empregos.

Para os colaboradores, isso representa uma perda na saúde psicológica e insatisfação. Para as empresas, de acordo com o instituto Gallup, além da perda da produtividade, funcionários desmotivados geram prejuízo financeiro. Nos Estados Unidos, onde 7 a cada 10 colaboradores afirmam não estar engajados com o trabalho, a perda de produtividade custa às empresas cerca de U$ 450 a U$500 bilhões por ano.

Entre as muitas formas de mudar este quadro, está o investimento em métodos que possam  mostrar, de maneira objetiva e transparente, como cada ação dos colaboradores impacta no cumprimento dos objetivos das empresas.

A metodologia OKR, que já explicamos aqui antes, é essencialmente construída em conjunto e mostra como cada KR, Key Result, contribui para a construção e cumprimento de um objetivo.

Um dos pilares da metodologia de gestão ágil utilizada pelo Google é a transparência, sendo assim, todos têm acesso aos quadros que mostram objetivos gerais e de cada área. Dessa forma, fica claro como cada um impacta no trabalho do outro e como as equipes, em conjunto, impactam no objetivo da empresa.

Olhando desta forma, tudo parece simples e fácil. Mas a implementação deve ser feita corretamente para a metodologia não criar detratores da empresa e acabar por desmotivar ainda mais os colaboradores.

Conheça os três erros mais comuns na implementação da metodologia e saiba como não fazê-los.

1. Tornar o OKR uma lista de tarefas

A metodologia OKR prevê a delimitação de objetivos e resultados-chave para alcançá-los. Porém, um erro comum é determinar que um objetivo é uma meta geral e os resultados-chave são atividades para chegar até ela. Por exemplo:

Objetivo – Vender 150% a mais no trimestre em relação ao anterior

Resultados-chave :

  1. Fazer conteúdos ricos que engajem o lead
  2. Encantar os clientes por meio de visitas propositivas
  3. Fazer 20 reuniões

Isso nada mais é do que colocar as atividades no papel e dividir as funções para alcançá-las. A metodologia OKR vai além, o objetivo deve ter um conceito maior, inspiracional e motivador e os resultados-chave são as metas que queremos alcançar.

Vamos ao exemplo:

Objetivo – Ser referência nacional no setor

Resultados-chave:

  1. Aumentar faturamento em 150%
  2. Reduzir cancelamentos em 10%
  3. Crescer a base de clientes na região sul em 25%

Os resultados-chave precisam ser metas mensuráveis e as atividades que você realizará para alcançá-los mudarão ao longo do tempo. Em todo o processo, é importante ter em mente a entrega de valor para a organização.

2. Fazer o OKR dentro de uma mentalidade conservadora

De nada adianta se estes resultados-chave forem estipulados de cima para baixo sem a colaboração de quem irá colocá-los em prática. Pensar em implantar a metodologia OKR vai muito além dos objetivos e resultados-chave. É preciso fazer isso de forma conjunta e transparente.

Uma forma comum de implantar o método é as lideranças pensarem nos objetivos e os colaboradores, que são quem vai executar efetivamente as tarefas, pensarem em resultados-chave. Em empresas mais modernas, as equipes se reúnem e estipulam ambos indicadores de forma conjunta. Neste caso, o papel do gestor é dar o norte para onde a empresa irá e os colaboradores estipulam as possibilidades para chegar lá.

Além disso, pensar em resultados-chave que são executados individualmente vai contra o objetivo da metodologia. Quanto mais os times e as pessoas se integrarem, melhor. É essencial que os colaboradores enxerguem uma construção conjunta do trabalho, assim terão a noção que cada tarefa faz parte de um todo e a percepção da importância de suas ações.

Horizontalidade e construção conjunta, portanto, são essenciais para a execução correta da metodologia OKR. Junto a estas características, a transparência ajuda a completar os pilares da ferramenta de gestão ágil. Todos devem ter acesso aos objetivos e resultados-chave da empresa para entender qual a estratégia e assim aumentar o engajamento.

3. Aceitar modelos prontos

O que fizemos até aqui é trazer conceitos que devem ser levados em consideração na hora de construir o OKR da sua empresa. É dessa forma que cada instituição acha a melhor maneira de  executar a metodologia: olhando os conceitos e encaixando em um modelo que faça sentido para a instituição.

De nada adianta importar tabelas de OKR de grandes empresas e querer que os resultados sejam os mesmos no seu negócio. Se tem uma característica que é essencial na metodologia esta é a adaptação.

Cada empresa vai construir diferentes objetivos e, mesmo que por uma coincidência os objetivos se repitam, os resultados-chaves para alcançá-los são únicos em cada negócio.

Além disso, a forma como a metodologia é executada também pode ser adaptada para cada realidade. Existem empresas que preferem trabalhar com tabelas, outras que optam por software especializados, outras ainda colocam os objetivos em quadros, enfim, cada negócio precisa entender de qual forma a metodologia se encaixa nos seus processos, e não ao contrário.

O mito das fórmulas mágicas

A implementação de OKR realmente ajuda no engajamento dos colaboradores e, consequentemente, na motivação dos mesmos. Mas não existe fórmula mágica. A receita do sucesso é tentativa e erro.

Para chegar mais rápido no acerto, é importante olhar para os conceitos da metodologia e seguir suas premissas. A forma  como implementá-los, quais os conceitos fazem sentido, como a execução é feita, depende de testes dentro de cada empresa.

Nestes casos, uma premissa é verdadeira: ouvir. A metodologia que tem como pilar a horizontalidade precisa ser feita com base nas opiniões de quem irá executá-la dia a dia e ouvindo os conselhos de quem já teve sucesso com este método.

Você já usa o OKR? Tem dicas de outros erros que podem ser evitados? Compartilhe com a gente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *