protagonismo dos colaboradores e feedback

[CaseFeedz] O protagonismo dos colaboradores levou a Assertiva a um novo patamar nos negócios

A tecnologia aproxima as pessoas. Se ainda existia alguma dúvida sobre isso, a pandemia causada pelo novo coronavírus fez questão de esclarecer. Nunca antes a cultura de feedback esteve tão ativa e útil. Afinal, o home office estabelecido nos últimos tempos apenas separou fisicamente as pessoas. Já o desafio de mantê-las unidas e trabalhando integradas é bem mais antigo. Para resolver essas distâncias e estabelecer uma metodologia de gestão de pessoas sustentável para o crescimento dos negócios e com o objetivo de gerar o protagonismo dos colaboradores, a Assertiva chegou até Feedz em 2019. 

 

A partir disso, a empresa tem comemorado resultados que vão além do esperado. 

 

Quer conhecer a trajetória da Assertiva + Feedz e saber como uma cultura pode ser construída mesmo dentro de um time recém-chegado à casa? 

 

Voe com a gente nesse case!

Quem é a Assertiva? 

A Assertiva é uma empresa que desenvolve e integra tecnologias para impulsionar negócios através da coleta, tratamento, enriquecimento, análise e contextualização de dados de pessoas físicas e jurídicas em todo o Brasil.

 

Com 7 anos de estrada tem mais de 3.500 clientes e um faturamento que saltou de R$ 1,2 para R$ 2 milhões nos últimos anos. 

 

Em 2019, adotou as ferramentas Gestão de Objetivos OKRs e Avaliação de Desempenho como forma de acompanhar o crescimento da empresa e o desenvolvimento dos seus 110 colaboradores.

 

Em um cenário de escalada e com um terço da equipe formada por pessoas com menos de um ano de casa, o desafio da Assertiva era estimular internamente um papel de protagonismo. Para isso, buscava uma ferramenta que pudesse dar “forma” e “formalização” aos insights coletados junto aos seus times. 

 

“Criar uma cultura de feedbacks empodera a empresa e apoia o crescimento e a evolução dos profissionais, que também se empoderam e podem seguir em sua jornada de desenvolvimento. Essa não é uma dinâmica que deve ser baseada em ‘emoção’. Alguns pontos precisam de formalização”, aponta Felipe Serrano, COO (Chief Operating Officer) da Assertiva.

 

Ao implementar a ferramenta da Feedz, a empresa explodiu o seu número de interações entre lideranças, liderados e times. A partir disso, conseguiu as bases para fomentar a metodologia de gestão que desejava. 

 

“Os parâmetros para evolução profissional passaram a nortear as promoções. O número de evolução de carreira, salarial e reconhecimento passou de 80 no período de 12 meses”, destaca. 

 

Mas, não foi apenas isso. Felipe comemora também outros resultados como:

 

  • Empoderamento do RH; 
  • Padronização e geração do desenvolvimento profissional para todos os times; 
  • Qualificação do gestor e reforço do seu senso de responsabilidade; 
  • Rastreabilidade de cada avaliação. 

 

Depois dessas conquistas, será que dá para ir mais longe? A Assertiva acredita que sim. 

 

Em seu manifesto, as pessoas são colocadas no pilar central da estratégia. É por isso que para os gestores da empresa, faz todo o sentido aliar o crescimento do negócio à qualidade do acompanhamento dos times. 

 

Assim, é possível oferecer oportunidades de desenvolvimento igualitárias a todos

 

Entrevista Assertiva

Vida antes da Feedz: quais eram os obstáculos que a Assertiva tinha pela frente?

Ter, em uma única plataforma, um instrumento que pudesse acomodar um histórico de registros dos feedbacks, além de uma metodologia para nos dar suporte para implementar uma cadência mais constante neste quesito. 

Procurávamos uma ferramenta que nos ajudasse na forma e na formalização desses insights. Fundamentalmente, sentíamos que era necessário aprendermos com a nossa história, por isso, era necessário adotar uma solução que nos permitisse o registro e o acesso a esses indicadores. 

Crescimento da empresa e empoderamento dos colaboradores devem andar juntos?

Sabíamos que era fundamental mantermos o acompanhamento de cada profissional  durante toda a sua jornada com a empresa. E, para isso, era preciso estabelecer parâmetros. 

A equipe da Assertiva cresceu muito nos últimos anos e a nossa capacidade de criar e manter o histórico da evolução dos colaboradores foi se perdendo nesse processo de expansão. Para corrigir isso, sentíamos que era preciso adotar uma cadência de feedbacks e fazer um registro confiável dessas interações. 

Sabemos que criar a cultura de feedbacks empodera a empresa e apoia o crescimento e a evolução dos profissionais, que também se empoderam e podem seguir em frente em sua jornada de desenvolvimento. Essa não é uma dinâmica que deve ser baseada em “emoção”. Alguns pontos precisam de formalização. 

O nosso principal objetivo é apoiar esse empoderamento dos colaboradores para que eles assumam a responsabilidade de sua própria evolução, sem paternalismos. Eles devem compreender que são protagonistas em suas carreiras e, também, dentro de seus times. 

Feedback e o protagonismo

O cenário da empresa mudou muito devido ao crescimento acelerado. Sabíamos que para continuar o crescimento de forma sustentável era preciso fomentar entre as pessoas um papel de protagonismo. 

O feedback é um presente, você precisa dar a quem quer recebê-lo. Quando aceito, ele se torna um terreno muito fértil.  

Por que escolher uma ferramenta como a Feedz?

Recebemos boas referências de outras empresas que já eram parceiras da Feedz, como a Superlógica, por exemplo. Antes de nos tornar clientes, conhecemos outras ferramentas, mas que não ofereciam um pacote de soluções tão completo – com feedbacks e gestão por OKRs, por exemplo – e com boa adaptabilidade.

O que esperar? 

Inicialmente, queríamos estabelecer uma metodologia de feedback autônoma entre os times. Nosso objetivo era incentivar mais as interações entre eles. Essas expectativas foram sendo atendidas. Além disso, outras oportunidades foram aparecendo também. A principal delas é que as pessoas foram se tornando protagonistas em suas carreiras e em seu papel na empresa. 

Como comprovar o valor da cultura de feedback desde o início?

Novas soluções têm impactos emocionais no início. Depois, esse processo desacelera e vai se acomodando. Entendíamos que o start da implementação precisava estabelecer um vínculo positivo. Então, fomos muito transparentes em mostrar às pessoas os ganhos que a adoção da plataforma traria e como isso seria relevante para elas. 

 

O início da implementação é fundamental para que as pessoas possam enxergar o valor da cultura de feedback e, assim, não se afastar da plataforma. 

Será que dá mesmo para engajar?

Hoje temos 110 colaboradores, entre os quais mais de 85% utilizam a plataforma da Feedz com habitualidade. Temos perfis de pessoas que são mais heavy users e outros que utilizam em menor escala. 

É preciso testar a ferramenta antes implementar?

Foi feito um teste inicial somente com os gestores por um período de 15 dias. Depois disso, implementamos para o restante da população. 

 

Como a Feedz ajudou nos resultados da Assertiva? 

A partir da implementação da plataforma, posso citar alguns benefícios como:

  • Empoderamento do RH; 
  • Padronização do desenvolvimento profissional e da interpretação dos parâmetros;
  • Oferecimento de oportunidade de desenvolvimento profissional para todos os times; 
  • Qualificação e responsabilização do gestor como responsável pelo sucesso e insucesso; 
  • A rastreabilidade das avaliações dos profissionais.

Tem números que comprovam? 

O número de interações de feedbacks saltou drasticamente. Os parâmetros para evolução profissional passaram a nortear as promoções e o número de evolução de carreira, salarial e reconhecimento passou de 80 no período de 12 meses. Esses dados são interessantes se pensarmos que mais de um terço do time tem menos de um ano de casa.

O que mais conseguiram?

O empoderamento do RH sobre os times de gestão, realmente, trouxe visibilidade e métricas que não eram tão transparentes.

O que vem pela frente?

O aumento da frequência de feedbacks não quer dizer que eles estejam na melhor dose, com a melhor profundidade ou no melhor tom. Certamente, o ajuste qualitativo pode influenciar a intensidade, profundidade e aumentar a responsabilidade de quem recebe e de quem dá o feedback.

Nossa head de RH, Tatiana Araujo, tem feito um trabalho brilhante em acompanhar, avaliar e construir feedbacks sobre os gestores. Ela tem conseguido valorizar a relevância e a qualidade do acompanhamento dos times pelos gestores, de modo que todos tenham, de forma equilibrada, a mesma oportunidade de desenvolvimento.