O papel do líder no fortalecimento da cultura | ENTREVISTA COM JENIFER MORITZ (Hiper)

Solidificar a cultura de uma empresa é um trabalho de rotina, principalmente em negócios de alto crescimento, nos quais é normal a rotatividade de pessoas ser um pouco maior. Para tanto, entender o quanto cada valor da cultura está presente no dia a dia dos colaboradores é essencial.

Na Hiper, hoje com 126 profissionais, o alinhamento começa ainda no processo de  recrutamento e seleção. Jenifer Moritz, Head de Talentos na empresa, conta que os candidatos são avaliados dentro dos oito pilares que regem o negócio: trabalho com foco em resultados, espírito de tribo, fazer o seu melhor, faz o gol quem pega a bola, otimismo, exemplo, humildade e ser simples e enxuto. 

Na fase de onboarding estes valores são reforçados, mostrando ao novo membro da equipe como eles estão presentes em cada ação. Jenifer conta que para manter forte a cultura da Hiper, vários momentos da rotina dos colaboradores são destinados a entender como estes se sentem, como usam os valores em seu dia a dia, a valorizá-los e a compartilhar as ações com todos da empresa. 

“Temos anualmente nossa avaliação de desempenho; em ciclos de 45, 90 e 120 dias temos as rodadas de feedback; promovemos o Culture Day, quando o CEO se junta a oito pessoas de diferentes equipes para entender como os valores são praticados no dia a dia; toda sexta às 17h fazemos uma reunião 360º, com toda a equipe, para dividirmos em que cada time está trabalhando; e na 360º ainda temos o gohiper, quando algum colaborador é destacado por um feito e o microfone aberto, para que todos se sintam à vontade de contribuir”, explica Jenifer. 

Líder: o principal ponto de contato entre empresa e colaborador

Por mais que a Hiper tenha uma rotina que reforça os valores e a cultura da empresa, Jenifer defende que o papel do líder no contato próximo ao colaborador para garantir que este está satisfeito, engajado e alinhado com as ações da empresa é essencial. “Existe uma distância, muitas vezes, da área de gestão de pessoas e o dia a dia do colaborador. Por outro lado, o líder está sempre próximo, é ele que consegue perceber que alguma ação precisa ser aprimorada, o que os colaboradores estão precisando, o que engaja cada um, entre outros fatores”, argumenta. 

Por isso na empresa existe um programa de desenvolvimento de liderança. “A ideia é fortalecer nossos líderes para que eles sejam o ponto de contato entre a organização e os colaboradores. Só dessa forma conseguimos olhar para cada um individualmente”, explica. 

Além dos momentos de feedback citados, as 1to1 são momentos valiosos da empresa para entender como cada profissional está desenvolvendo seu trabalho, seus desafios e conquistas. Dessa forma, a empresa busca o equilíbrio entre ações gerais e pessoais de engajamento. Além disso, aprimora o reconhecimento. 

“O RH não pode substituir o líder, ele é a peça chave de transformação e sucesso da empresa. Por isso temos que sempre trabalhar em rede, cada um com sua função, a fim de alcançarmos a todos de forma humanizada”, finaliza Jenifer.