[Feedz Writer] Forças das organizações em tempos de distanciamento social – Por Antonio Marinho

+ Sobre Antonio Marinho
Graduado em Administração em Recursos Humanos. Certificado como Professional & Self Coaching pelo IBC.

 

Quando falamos de forças dentro de uma organização, logo pensamos na mão de obra, e tudo se resume a forças como talentos, aquilo que fazemos bem, habilidades, proficiências desenvolvidas, interesses, o que precisamos fazer ou recursos, suportes internos.

 

Mas hoje quero falar de outras forças, essas chamadas de forças de caráter, que nada mais são que forças que nos caracterizam, nossas forças pessoais, que são mecanismos que definem nossas virtudes, rotas distintas para mostrar uma ou outra virtude.

 

Virtudes

São hábitos bons que nos levam a fazer o bem. Podemos tê-las desde que nascemos ou adquiri-las durante nosso processo de desenvolvimento. Em falas religiosas, são meios muito mais eficazes de colaborar com DEUS, contribuindo em fazer o bem, cumprindo com os planos de Deus. Isso significa fazer o bem para algo ou alguém, algo mais abstrato, baseando-se na biologia do processo evolutivo.

 

Valores

Os valores trata de algo mais pessoal, mais ambíguo. Trata-se daquilo que reconhecemos como importante para nós, o que nos faz bem, como ser individual.

 

Caráter

É um conjunto de características que nos define, que é percebido e julgado pelos outros a nossa volta, que nos impulsionam a tomar certas decisões.

 

Surgimento das forças de caráter

O PhD. Martin Seligman, nomeado o pai da psicologia positiva, em seus estudos veio a afirmar que as pessoas só podem serem realmente felizes quando descobrem e utilizam suas forças em todos os âmbitos da vida.

A PP (psicologia positiva) não surgiu no intuito de forçar um olhar positivo mas sim um olhar integrativo, nada mais que a integração do conceito corpo, mente e ambiente.

Muitos pesquisadores e estudiosos se aprofundaram neste conceito, e realizaram estudos na psicologia, sociologia, antropologia e filosofia. O “projeto forças de caráter” pretendeu estudar o segundo pilar da PP, traços individuais, e ao fazê-lo, clarear o primeiro, emoções positivas, e então, buscaram entender quais eram as virtudes que eram possíveis serem encontradas em todas as culturas, e descobriram seis virtudes: sabedoria, humanidade, justiça, moderação, coragem e transcendência. 

Podemos fazer uma analogia com uma árvore: as raízes são as virtudes e forças, é por onde a árvore se alimenta, sugando todos os nutrientes da terra, o caule são os valores e os talentos, pois é dali que são passados os nutrientes e se firma a árvore, os galhos são as habilidades, pois pode ser diversos, e é dali que brotam as folhas e frutos e por fim as folhas são os comportamentos e crenças, pois podemos dizer que é a parte mais fica amostra, aos olhos, e que em seu desenvolvimento elas vão e dão espaços para novas folhas.

 

Mapeando suas forças de caráter

Via Character Survey então foi criado para facilitar que possamos reconhecer nossas 24 forças de caráter e nossas 6 virtudes, e como vocês podem ter observado na imagem, todos são elementos positivos, pois é um convite a conhecer traços individuais positivos, que é possível encontrar em todos os seres humanos.

Todos nós possuímos as 24 forças e as 6 virtudes, e através do teste podemos descobrir quais mais nos impulsionam e as que menos, mas todas lá, dentro de nós, para nos ajudar, nos guiar em uma busca para uma felicidade eudaimônica.

 

Utilizando as forças de caráter nas organizações

Trabalhando as emoções positivas dentro das organizações é possível ter um aumento na produtividade, gerando engajamento, construindo relacionamentos positivos, dando mais significado, lembrando que as novas gerações estão cada vez mais em busca de significados, propósitos, empresas que tem seus propósitos claros e praticados atrai mais essas gerações, pois assim elas estarão traçando metas e objetivos (realizações).

Segundo instituto GALLUP, organizações que focam nas forças de seus colaboradores possuem um aumento de 73% no engajamento.

 

Método para trabalhar com as forças

1. Conscientização

É necessário fazer um trabalho de conscientização das forças de caráter dentro das organizações, realizando e explicando os testes, podendo ocorrer através de treinamentos ou coaching.

 

2. Explorar

Incentive os colaboradores a explorarem suas forças, perceberem quais e quando suas forças trabalham em seus processos, em suas entregas e no seu dia a dia, realizando auto sugestões, assim como Émile Coulé apresentou em sua teoria.

 

3. Aplicar

Estimular que as forças sejam aplicadas dentro do ambiente corporativo. Exemplo: um colaborador com a criatividade como sua primeira força de caráter, deve ser criado ambientes, espaços em que ele possa trabalhar seu lado criativo. Outra dica é criar grupos de interesses, trabalhando a interação e troca de conhecimento.

 

Coaching

A Geração Y já está dominando o mercado de trabalho e, em sua grande maioria acreditam fielmente que um programa bem estruturado de mentoring e/ou coaching podem auxiliar no desenvolvimento de suas soft skills (competências comportamentais). Eles anseiam por esse tipo de abordagem, tempo para eles parece passar mais rápido do que para os outros. 

Jovem aos seus 22 anos já estão cursando ou concluindo uma pós graduação, e por esse motivo acreditam que possam já assumir cargos cada vez mais estratégicos, como liderança e diretoria, mas para muitos faltam o desenvolvimento de suas soft skills, e o Coaching poderá acelerar o processo do autoconhecimento e a busca pelo autodesenvolvimento.

 

RH Coaching

O mercado cada vez mais vem cobrando conhecimento em coaching do “recursos humanos”, e acredito que até em 2025 será uma habilidade mínima exigida na área de gestão de pessoas.

Se observarem as instituições de ensinos, todas estão incluindo coaching em seu conteúdo programático, algumas já possuem pós graduações com ênfase em coaching, poderia citar diversos cursos de especializações que aderiram ao que o mercado está exigindo.

 

“Conclusão”

Estruturando um bom processo de aplicação e utilização das forças de caráter essas se tornaram as forças das organizações, uma organização que já reconhece os benefícios do autoconhecimento estará sempre à frente das demais.

Um colaborador que reconhece suas forças e consegue aplicar pelo menos 4 de suas principais forças (forças de assinatura), este será um profissional mais feliz e realizado, trazendo maior resultado a organização.

 

Agora que já sabemos como reconhecer nossas forças de caráter, métodos de aplicação dessas dentro das organizações, que tal começar a traçar programas de desenvolvimento que as inclui?

 

Se você ficou muito curioso sobre o tema, felicidade eudaimônica, psicologia positiva e desenvolvimento de soft skills, me procure, estou sempre a disposição para conversar.

Analista de Conteúdo na Feedz, mais conhecido como Pai do Blog. Formado em jornalismo pela UFSC, especializado em produção de conteúdo digital e apaixonado por fazer da comunicação uma ferramenta de transformação social.
Back To Top