10 mitos sobre People Analytics

O conceito de People Analytics (PA) ganhou popularidade há pouco tempo e como toda nova solução, é tido como a saída milagrosa para os problemas das empresas. Muito se fala sobre os benefícios de ter dados sobre o corpo de profissionais de um negócio a fim de entender qual a motivação e como manter o engajamento dos colaboradores. 

Porém, não existe receita mágica ou resposta milagrosa. Por mais que estudar dados internos e aplicar soluções a partir deles realmente dê resultado, a solução passa longe de ser a resposta para todos os problemas ligados a área de gestão de pessoas. 

Se o conceito de People Analytics é  popular, uma forma padrão de implementá-lo também o é. E aí está o segundo maior erro das empresas que querem implementar esta técnica: não existe maneira certa ou errada de aplicá-la, mas sim, a forma que funciona para determinado negócio. 

Mike West, especialista em People Analytics, desmistifica em seu livro dez mitos sobre o tema que as empresas precisam ter claros para colher os frutos desta técnica.  Conheça:

 

1 – O People Analytics diminuirá o ritmo dos processos:

Muitas pessoas acreditam que por ser uma técnica complexa, de angariação e estudo de dados e aplicação dos insights, o PA desacelera as ações do RH. Mas na verdade, por mais que realmente seja um processo mais demorado, a aplicação dessa ferramenta, se feita de maneira planejada, deixa as ações mais inteligentes e não mais difíceis e demoradas. Planejamento é a chave do sucesso. 

 

2-  Para construir uma estratégia de PA é preciso ter um sistema:

Realmente softwares de pesquisa e gestão ajudam na execução das pesquisas, armazenamento dos dados e análise das informações, mas não é necessário esperar ter um sistema para colocar a ferramenta em prática. O ideal, inclusive, é que a técnica seja testada antes de se contratar um software. 

 

3- Quanto mais dados melhor:

Na verdade, quanto mais dados de qualidade, melhor. Se você reuniu uma quantidade gigantesca de dados sobre os profissionais mas não tem um objetivo claro de o que fazer com eles, só deixará o trabalho mais difícil. Aqui o que vale é a velha máxima: o que importa é a qualidade e não a quantidade. Priorize ter informações que tenham um sentido e um objetivo prévio, do que ter todas as informações. 

4- Os dados precisam ser perfeitos:

Entender quais perguntas levam aos dados certos, que informações realmente fazem sentido e quando um dado é confiável são coisas que levam tempo e exigem testes. Por isso, não se preocupe em ter os dados mais perfeitos logo de início, é preciso testar suposições e ter a experiência para poder chegar a números “ideais”.

 

5 – É preciso ter uma equipe técnica para implementação de PA:

Assim como não é necessário já iniciar a prática com apoio de softwares, não é uma regra que uma pessoa técnica precisa acompanhar estes dados. A equipe original de RH precisa aprender a ler e captar informações, mas é capaz de, por si só, iniciar a implementação de PA em uma empresa. 

 

6- Inteligência Artificial pode ser uma aliada:

A IA ainda é muito focada em dados “secos”, ou seja, na análise fria das informações. Como para People Analytics os dados são, muitas vezes, subjetivos, é difícil que uma máquina que lê algoritmos chegue em uma solução realmente eficiente e sensível. Aqui, a interpretação humana conta muito. 

 

7 – PA é para nerds:

Existe uma crença que só pessoas que se encaixam nesse estigma gostam de números e de analisar dados, mas a prática pode e deve ser feita por qualquer pessoa que esteja à frente da área de gestão de pessoas de uma empresa. 

 

8- Existem dados concretos sobre pessoas:

As pessoas mudam e por isso, a construção de PA é constante, ela nunca chega ao fim, uma vez que acompanha as mudanças dos colaboradores. 

 

9- Quanto mais complexo, melhor:

A máxima aqui é, na verdade, o que funciona é o melhor. Os números não precisam trazer realidades complexas, eles precisam responder perguntas. Se a resposta vem por meio de dados simples, ótimo. 

 

10 – Os dados devem ter impactos nas finanças de uma empresa:

Muitas pessoas esperam que o PA traga resultados imediatos para o financeiro da empresa.Essa é uma consequência da técnica, mas nunca deve ser sua inspiração. 

 

E você, tem mais algum mito sobre People Analytics que escuta com frequência? Conta para a gente!