Desvendando a metodologia OKR

Desvendando a metodologia OKR

A disrupção trazida pelas empresas nascentes em tecnologia, também conhecidas como startups, vai além dos produtos e serviços que mudaram muitos setores tradicionais do mercado, ela também transformou o modo de se gerir uma empresa. No caso deste modelo de negócio, o produto ou o serviço precisa ser validado e executado de forma rápida, assim como suas atualizações precisam ser velozes e constantes.

Para tornar isso possível, o método tradicional de gestão das grandes empresas não funciona. Burocracias, hierarquias e processos demorados criam barreiras que impedem a fluidez de novas ideias e a agilidade na tomada de decisões. Sendo assim, ao mesmo tempo que mudavam o modo como as pessoas se relacionavam, informavam, transportavam, entre outros, essas empresas transformaram também a forma de gerir processos.

Essa nova técnica baseada em errar rápido, ajustar rápido, validar rápido e recomeçar o ciclo é conhecida como gestão ágil. Nela, se usa a filosofia de menor intervenção para o gerenciamento de projetos. Para isso, os funcionários de uma empresa são divididos em pequenos grupos e cada um fica responsável por desenvolver parte do projeto – que pode ser um produto, um serviço ou até mesmo uma ação. Cada parte é desenvolvida em ciclos curtos, de duas a quatro semanas, e ao final destes, há uma revalidação do projeto, suas etapas e resultados. Dessa forma, é possível intensificar os feedbacks e no final se tem um produto ou serviço com maior qualidade e focado na experiência do cliente.    

Existem diversas metodologias que se encaixam dentro do conceito de gestão ágil. Uma delas é o OKR – Objectives and Key Results. Expandindo as fronteiras da onde foi criado, o OKR é uma técnica que se encaixa e otimiza os processos de pequenas e grandes empresas de qualquer setor, basta entender a essência do método e aplicá-la.

 

Mas afinal, o que é OKR?

Como o próprio nome já diz, a metodologia OKR é baseada na delimitação de objetivos e resultados-chave para alcançá-los. Ela foi criada nos anos de 1970 na Intel e adotada pelo Google em 1999. Depois disso ficou famosa no mundo das empresas de tecnologia e hoje figura em grandes e pequenos negócios de diferentes setores.

Os OKRs são pensados de forma horizontal, com cada time definindo seus objetivos e delimitando resultados-chave para alcançá-los em conjunto e em conformidade com os valores, visão e missão da empresa. Nesse processo, são apontados responsáveis por cada ação e os líderes OKRs, que são pessoas na empresa que se dispõe em auxiliar os outros a cumprirem suas tarefas.

O ciclo de cada OKR é curto, geralmente trimestral. Além disso, existem revalidações semanais para entender se o objetivo será alcançado, quais são as dificuldades, como é possível estimular a colaboração entre a equipe e como cada colaborador se sente em relação ao seu resultado-chave.

Entre os benefícios do método estão engajamento da equipe, que participa do processo desde o início, ajudando a definir os objetivos e a desenvolvê-los; transparência, uma vez que todos têm acesso aos OKRs de todos e conseguem enxergar o que cada um é responsável por fazer; colaboração, já que é possível ver o que o colega precisa e entender como isso impacta na ação de cada um, estimulando que os colaboradores se ajudem para alcançar o objetivo; pertencimento, uma vez que é possível enxergar com clareza como a ação individual impacta no coletivo e no objetivo central da empresa; e agilidade, já que os processos são revistos constantemente e pensados a curto prazo.

 

Como fazer:

O processo de implementação da metodologia OKR pode ser diferente em cada empresa, dependendo do tamanho, setor e rotina. Mas a linha central da metodologia, e o segredo para ela dar resultados, é estabelecer objetivos factíveis e resultados-chaves mensuráveis e claros. O processo se inicia com uma reunião com toda a equipe que se divide em times e pensa objetivos para cada um – em algumas empresas, essa parte é feita pelos líderes de cada área. O crucial é que os resultados-chave sejam pensados em conjunto, assim quem realmente vai colocar a mão na massa e tem experiência nisso, identifica as melhores formas de chegar no objetivo.

Os resultados-chave precisam ser claros e mensuráveis, isso quer dizer que todos precisam ler e entender a mesma coisa e que os responsáveis possam quantificar o quanto estão alcançando a cada semana. Os objetivos precisam ter, além destas características também, generalidade para poder abranger diversos fatores – mas nunca esquecendo da clareza, ser geral não significa ser vago.

Um exemplo: para o time de vendas o objetivo pode ser dobrar as vendas no trimestre em relação ao mesmo período do ano anterior. Para alcançar isso, podem ser elencados diferentes resultados-chave, como: gerar uma certa quantia estipulada de prospects, ter uma taxa de conversão de leads alta, fazer tantas ações que estimulem o reconhecimento da empresa pelo público alvo, etc.

Alcançados todos os resultados-chave, consequentemente os objetivos serão superados. As metas precisam ser desafiadoras ao mesmo tempo que factíveis. Esse é um cuidado muito importante que deve ser tomado, metas impossíveis invertem sua função e se tornam um fator que tira o engajamento dos colaboradores. Por outro lado, metas fáceis não impõem desafios e faz com que os funcionários se acomodem e, consequentemente, parem de inovar.

 

Colocando em prática

A forma mais simples de implantar a metodologia OKR em uma empresa é fazer uma tabela, compartilhada com todos, com os objetivos, resultados-chave e responsáveis. Dessa forma, todos têm acesso no momento em que querem e o processo se mantém transparente.

Existem também plataformas especializadas ou que têm como funcionalidade a gestão de OKRs. Assim é mantida a transparência, permitido que os colaboradores vejam o progresso de cada resultado-chave e contribuam para o seu desenvolvimento.

Os feedbacks semanais de como está o processo, quais as dificuldades, o que se pode comemorar, quais as expectativas de cumprimento da meta para o trimestre e engajamento do colaborador são essenciais para que haja um acompanhamento do processo. Assim, os ajustes necessários são feitos de forma rápida e além dos resultados alcançados, a empresa garante que os funcionários estão satisfeitos e motivados.  

Expectativa x Realidade

O OKR é um método que ajuda a equiparar a expectativa da empresa com a sua realidade, por meio de um acompanhamento constante dos resultados e ajustes rápidos quando necessário. Gostou da ideia? Para implantar é preciso pouca coisa e os resultados vem rápido, como não poderia deixar de ser.  Tente e compartilhe com a gente a sua experiência.

Fotos: Pexels

 

Deixe uma resposta

*